quinta-feira, 6 de outubro de 2011

50 dias

        Eu não sei como descrever o que sinto e nem por que sinto. Só aconteceu. É como o big bang, ou como faça-se os céus a terra, algo parecido e que simplesmente aconteceu. Eu te vi, quase não tive coragem de olhar nos seus olhos e o seu toque, esse toque tornou tudo tão claro. Os hormônios entraram em ação e tudo aquilo tão clichê que se fala nos filmes[...] eu podia finalmente conhecer. Em um perfeito ciclo que coloca todo meu ceticismo abaixo, muitos definem como acaso, outros chamam isso de destino, eu resolvi chamar de você, a partir do momento em que finalmente minha alma resolvia encarnar em vida. Sentir o fôlego dos mortais, saborear o gostinho de respirar, nesse mesmo momento você era criado nos planos de Deus, que nove meses depois ficou pronto, nem o universo (que demorou sete dias) reteve tanto cuidado e atenção em sua criação. Demorou até que nossos corpos pudessem se conhecer e depois disso, desconhecer todo o resto, pois era preciso. Era preciso crescer antes de te ter; Ter a tatuagem de você em meu corpo, alma e coração, como um código de barra daqueles que indicam dono e origem da criação. Hoje, são cinquenta dias que o céu ficou mais azul, meu café da manhã sorri pra mim e não sinto mais aquele vazio dentro do coração." Isso é amor, e não Papai Noel."

3 tocou(ram) no assunto;:

Suzi disse...

Certo...desfaça a minha dúvida: Você é pai?

Nckynay disse...

Eu acho que não xD

Sr. Lunático disse...

kkk, foi engraçado, mas... não não! eu não sou pai. Falo de um amor tão "novela" que parece até ter sido destinado desde o início de nossas vidas, eu nasci e nove meses depois, meu amor também entre outras coincidências que chamam atenção, é fato que fomos feitos um pro outro.

Postar um comentário